segunda-feira, 8 de março de 2010

O DIA INTERNACIONAL DA MULHER

É todo dia

Comemora-se no mês de março o dia daquelas que dominam o mundo. Daqueles seres que têm certeza que os sonhos foram feitos para serem realizados.

Dia daquelas que têm absoluto domínio dos registros comemorativos.

Que sabem quantos anos, meses, semanas, dias e horas aconteceram os fatos de destaque da sua vida, as pessoas importantes , seus amores e desamores.

É o dia delas, que pensam e se comunicam de uma forma toda particular e, como diz Martha Medeiros, sabem como ninguém a utilizar o coração como tradutor-intérprete e, em contrapartida se armarem e lutar na defesa dos seus sentimentos.

Que teme a morte e nunca desiste da vida.Que têm sacadas brilhantes, contradições e gestos de desprendimentos nem sempre reconhecidos.

Dia de quem, embora quase se assemelhe a Penelope Cruz, luta bravamente com regimes, come alface e, às vezes, pensa numa lipo. Mas que atire a primeira pedra quem nunca se olhou no espelho e teve a impressão que sobrava alguma gordura.

E que, nessa hora de olhar no espelho insiste em ver defeito no cabelo, na boca, no nariz. Que se acha mais velha do que é. Mas que é sempre linda em Fortaleza, São Paulo, Belo Horizonte, Rio Preto, Bauru ou Machu Pichu .Que adora uma caminhada num domingo de sol desde que o telefone esteja por perto.

Que come brócolis, cenoura, chuchu.... e não resiste ao chocolate.

Foge do alho desde quando sentiu uma torcida de nariz do namorado. Que às vezes é brega.. mas nunca tem mau gosto. Que não segura a lagrima cair no filme cafona.. e detesta a violência, mas chuta o pau da barraca.

Dia de quem acha que está demorando muito para chegar a hora de ir ao cinema ou ao jantar.. mas o amado chega e ela está atrasada na própria arrumação.. do retoque do batom e do cabelo em desalinho Dia de quem todas as palavras são importantes e as principais sempre falarão de amor Dia da Mulher?? bobagem.. são de vocês todos os dias Minha homenagem a você, mulher. Que nos ensinam a viver.


Canção na Plenitude

Lya Luft

Não tenho mais os olhos de menina
nem corpo adolescente, e a pele
translúcida há muito se manchou.
Há rugas onde havia sedas, sou uma estrutura
agrandada pelos anos e o peso dos fardos
bons ou ruins.
(Carreguei muitos com gosto e alguns com rebeldia.)
O que te posso dar é mais que tudo
o que perdi: dou-te os meus ganhos.
A maturidade que consegue rir
quando em outros tempos choraria,
busca te agradar
quando antigamente quereria
apenas ser amada.
Posso dar-te muito mais do que beleza
e juventude agora: esses dourados anos
me ensinaram a amar melhor, com mais paciência
e não menos ardor, a entender-te
se precisas, a aguardar-te quando vais,
a dar-te regaço de amante e colo de amiga,
e sobretudo força -- que vem do aprendizado.
Isso posso te dar: um mar antigo e confiável
cujas marés - mesmo se fogem - retornam,
cujas correntes ocultas não levam destroços
mas o sonho interminável das sereias.


Fonte: Por Euripedes Rodrigues, colunista da Feal - Fundação Espírita André Luiz.

1 comentários:

Kelly disse...

Mulheres não são para compreender, e sim para amar....parabéns pelo seu dia...beijos